COMER POR ANSIEDADE: COMO SAIR DESTE CICLO VICIOSO?

O principal gatilho para o comer emocional, está relacionado diretamente com os nossos sentimentos. O comer emocional surge quando o alimento se torna o objeto de recompensa, após um dia estressante de trabalho, algum acontecimento que abalou seu estado emocional, então você busca a sensação de alívio e prazer imediatos.

Este processo fisiológico também está associado a outros comportamentos como, exercício em excesso, restrição alimentar rígida, consumo de tabaco, álcool, compras sem necessidade, sexo promiscuo etc.

Figura 1 – comer emocional (fonte: segs.com.br)

Alguns casos o comer emocional pode acontecer quando é feita restrição calórica ao longo do dia, o que aumenta a ansiedade, então ao final do dia você não consegue mais sustentar a restrição calórica e a fome surge mais aumentada, fazendo você comer tudo o que tiver pela frente, em grandes quantidades em um curto período de tempo, pois a percepção da saciedade se torna reduzida. Normalmente os alimentos escolhidos são ricos em gorduras e carboidratos como pizza, burger, chocolates etc.

O comer emocional, está associada à uma necessidade fisiológica do organismo na busca de alguma recompensa, uma sensação de alívio e prazer momentâneos, seguido de culpa rejeição da imagem corporal, sentimento de fracasso.

O primeiro passo para sair deste ciclo vicioso é perceber quais são os gatilhos que te levam ao comer emocional, observar o seu estado emocional é um dos exercícios fundamentais para estimular esta percepção, lembrando que o comer emocional, surge quando o alimento torna-se um objeto de recompensa para suprir algum sentimento.

 

O QUE FAZER QUANDO ESTE SENTIMENTO SURGIR?

 

Primeiro passo: perceber se a fome está associada à sensação de recompensa, alívio seguido de culpa e rejeição da autoimagem corporal. Ao identificar que tem sintomas do comer emocional procurar ajuda de um nutricionista especializado em Transtornos Alimentares associado a Psicoterapia.

Segundo passo: suprir a fome física, não fazer restrição calórica ao longo do dia. Comer um bom café da manhã, um bom almoço com carboidratos, comer a tarde se sentir fome, a meta é suprir as necessidades do corpo ao longo do dia e não à noite.

Terceiro passo: satisfazer suas vontades e desejos, por que não, se permitir momentos de prazer? É normal e necessário.

Quarto passo: quando a vontade de comer surgir, busque se distrair, faça algo que também gere algum bem-estar, como: fazer atividade física, cozinhar, tomar banho, fazer algo que tire o foco e que também seja prazeroso…um dos efeitos mais positivos é movimentar o corpo.

E a dica mais valiosa: não deixe de comer o que você tanto gosta, o que traz memórias afetivas, comer saudável não está associado a sofrimento e sim bem-estar. Mas se permita comer com prazer quando estiver com a família, amigos, saboreando a comida e mesmo que comer um pouco a mais, você não irá sentir culpa.

Patrícia Anno

Nutricionista CRN3-23366

Foto em destaque: br.freepik.com – foto criada por bearfotos